quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

"Ópera de Todos" - Para Todos



ÓPERA DE TODOS

Música | Ópera
Centro Cultural Vila Flor - Guimarães

Grande Auditório
Produtor

Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura
Duração

00:50

O evento encontra-se realizado

Próxima sessão:
Classificação Etária

Maiores de 3 Anos
Sinopse


A “ÓPERA DE TODOS” É UM ESPECTÁCULO INTERDISCIPLINAR QUE TEM COMO INTÉRPRETES ELEMENTOS DA CERCIGUI.

A convite de uma mãe de um aluno da Cercigui (Cooperativa para a Educação e Reabilitação de Cidadãos Inadaptados do Concelho de Guimarães), Jorge Queijo realizou em 2009 várias oficinas de música como voluntário. O desenvolvimento musical individual e de grupo, a descoberta da voz e a valorização das capacidades artísticas de cada elemento apontaram para um caminho de continuidade e de partilha das experiências realizadas com o público. A “Ópera de Todos” é o resultado deste trabalho criativo, realizado durante o presente ano e integrado na Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura. Cerca de 150 elementos entre alunos e técnicos dão forma a esta manifestação artística.

Ficha Artística


Direção Artistica e Música | Jorge QueijoDramaturgia
Direção de atores | Manuela Ferreira
Movimento | Dora Silva
Cenografia e Figurinos | Patricia Costa
Direção de Vídeo | Maria Mónica
Direção de Coro | Paulo Neto
Harpa | Eleonor Picas
Violino | Samuel Coelho e Inês Marques
Violoncelo | Sérgio Calisto
Contrabaixo | Henrique Fernandes
Piano | Hugo Raro
Voz ! Brigida Marques
Percussão | António Sérginho

ESPECTÁCULO APRESENTADO NO ÂMBITO DA CAPITAL EUROPEIA DA CULTURA - GUIMARÃES 2012

(http://www.bilheteiraonline.pt/InformacaoEvento.aspx?codEspSala=5374)



Na noite do dia 21 de dezembro, tive a oportunidade de viver um espetáculo único, um maravilhoso presente de Natal. Poder partilhar da magia e encanto, sentir o contágio da alegria destas Pessoas em palco a demonstrar a grandeza do Ser na expressividade da arte, foi um privilégio que ficará marcado para sempre.
Apesar de grande parte da sociedade continuar a rotular e diminuir estes seres, é de enaltecer a sensibilidade de quem se dá para potenciar as capacidades que o ser humano possui para se superar, vencendo todas as barreiras que lhe vão sendo impostas.

Porque sentir aquele escorrer de solidariedade, entreajuda e felicidade, faz-me acreditar que é possível... Obrigado!

sábado, 17 de dezembro de 2011

Feliz Natal.

 
A todos Vós desejo um Feliz Natal, e que ele aconteça de forma permanente. Abraço-vos

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Ser

O Homem necessita urgentemente de readquirir a orientação, investindo sobretudo no saber ser. Sendo que este apenas será possível através de um processo de aprendizagem, seja pessoal, profissional, social, ...

Numa época em que se vivem períodos conturbados, de extrema dificuldade económica e financeira, existe uma enorme incerteza sobre o amanhã. Tudo porque durante demasiado tempo a ganância desenfreada pelo ter foi a lei, colocando de parte tudo o demais.

O ser humano deve refletir quais as reais necessidades que satisfazem o viver e prescindir de certos luxos e mordomias a que se acomodou, no lugar de abdicar de ser e satisfazer o ego com caprichos que, além de desnecessários, corroem a substância da personalidade.


 

domingo, 11 de dezembro de 2011

Conto: Acontecer Natal





Maria chutou um seixo que rolou pelo declive da rua a enrolar-se no tapete de folhas caducas e perder-se na bruma que abraçava o amanhecer.  Percorria o trajeto de sempre a caminho da escola, mas naquela manhã os pés pareciam estar amarrados a uma âncora. Dos seus pequenos olhos de cor amêndoa escorriam elipses de tristeza e as suas frágeis pálpebras encerravam o mar, como se fossem comportas de uma barragem.
Nos anteriores anos escolares, Maria havia sempre conseguido ficar doente na primeira semana de dezembro, mas agora que frequentava o 4º ano tinha prometido a si mesma enfrentar aquele desafio, ainda que as memórias lhe trouxessem o paladar cru a sangue.
Foi a última a atravessar a porta da sala de aulas e dirigiu-se ao seu lugar, sob os olhares distraídos dos seus colegas, sentando-se em silêncio.
- Bom dia meninos! – exclamou em sorriso a professora.
- Bom dia professora Adriana! – responderam todos num alegre e agudo tom como um silvo do vento.
- Hoje, quero que cada um leia a carta redigida ao Pai Natal. – disse a professora. Quem quer dar início?
Maria levantou-se, percorreu a sala fechada num manto de quietude, colocou-se diante da turma e, sem qualquer carta entre as mãos para ler, murmurou num fio de voz doce e trémula…

Sabes, Pai Natal, apesar dos meus tenros nove anos de idade, não me lembro se alguma vez acreditei em ti. Sim, sei que já deves estar a fazer caretas, a coçar essa barba branca e suspirar por despir esse fato encarnado, em que tantos e tantos continuam a vestir-te, para distribuir chupa-chupas, rebuçados e balões multicolores em troca de uma fotografia ao teu colo, na confusão de luzes dos centros comerciais, mas esquecem-se dos meninos pobres a quem os homens da segurança sequer deixam lá entrar, talvez para não te sujar ou amarrotar o fato.
Mas não te aborreças comigo, Pai Natal, sequer revelei ainda qual o motivo desta minha descrença. Se tu existisses de facto, os meus pais hoje estariam à minha espera em sorriso ao portão da escola, no lugar de apenas viverem nas minhas frágeis memórias, desde que foram abalroados por um camião desgovernado e tudo o que restou intacto foi aquele presente de Natal selado com o meu nome.
Como já deves imaginar, descobri que não eras real tinha três anos, uma idade alimentada de sonhos e ilusões, da forma mais cruel possível. Mais do que negar a tua existência, passei a detestar-te, a não querer ouvir sequer pronunciar o teu nome. Por isso fiquei sempre doente no período de te escrever cartas a pedir casas de bonecas ou um outro brinquedo qualquer. Hoje disse a mim mesma que precisava de vir, dizer-te tudo isto que guardava aqui dentro no coração e dessa forma enterrar este ódio silencioso e poder voltar a sorrir apesar da mágoa.

Assim que terminou, Maria regressou à sua cadeira e a chuva precipitou-se aos seus pequenos olhos a fluir em abraço àquela que escorria aos seus colegas, como se fossem braços de rio a afluir a um mesmo leito.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Escola Secundária de Vizela

No âmbito do "Projeto É Fácil Ler", a leitura do livro "Iluminado. o renascer" foi explorada pela turma 2ºC EFA SEC. Na próxima quarta-feira, dia 14 de dezembro, a partir das 20h30, decorrerá a apresentação do mesmo, no auditório da Escola Secundária de Vizela.


Será uma oportunidade para dar continuidade ao gesto de solidariedade que decorre em prol da AIREV. Por cada exemplar adquirido ao autor, € 1,50 serão doados à referida Instituição.

sábado, 3 de dezembro de 2011

Ser Diferente

     Alexandre bebia o incêndio do final de tarde a mergulhar às águas transparentes, como se o sol lhe rasgasse uma estrada de luz ao azul do mar e as suas ágeis mãos conduzissem a cadeira de rodas até ao infinito horizonte. Momentos como este traziam-lhe a certeza da verdade que uma voz lhe soprava dentro, sempre que fazia do silêncio refúgio – por mais barreiras que edificassem à mobilidade, jamais alguma seria capaz de lhe roubar a liberdade do ser e a possibilidade em ser feliz.

     Uma voz desconhecida chegou-lhe em voo rasante, como se fosse ondulação a acariciar os grãos de areia da praia deserta. Alexandre suspendeu a íntima viagem e, ao abrirem-se, os seus olhos pousaram nas formas delicadas e maduras de um corpo de mulher, percorrendo-o até encontrar-lhe o olhar – e demorou-se àqueles olhos, como se o mundo ali se liquefizesse.

     - Olá! Perdoe-me a interrupção, mas estava a observá-lo e uma curiosidade estranha entranhou-se-me na pele. Você escreve poesia?

     - Poesia, eu?! Destas mãos saem apenas os movimentos que dão vida às rodas desta cadeira que suporta o meu corpo – respondeu Alexandre um tanto atónito e ainda preso ao fundo daquele azul cristalino.

     - Oh… – murmurou a mulher no desabrochar de um tímido sorriso. – Sabe, há poemas a transpirar à tez do seu rosto, como se fossem braços de rios a afluir a uma mesma foz.
 

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

(a)manhã sorriso

O amanhecer bebia o sol em goles tímidos, como se a manhã começasse em subtil sorriso num querer crescer.

E a manhã fez-se grande num multiplicar de sorrisos que se foram ampliando de boca em boca, (pre)enchendo-me de luz.

Porque dizer obrigado, apesar de o mesmo não sentir necessidade de ser dito, quando sentido faz todo o sentido.

A todos, sem exceção o meu Obrigado.


Na Biblioteca da Escola de Infias - Vizela, em conversa informal e partilha com algumas turmas do 9º e uma turma do 12º ano.

P.s.
Até ao momento 29 grãos tiveram o seu destino - o que perfaz um montante de € 43,50 em prol da AIREV. Acredito que até ao dia 16 de dezembro estes pequenos grãos se possam multiplicar em gestos de afeto e solidariedade. O meu obrigado a todos.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Escola Infias - Vizela


A escola é-me sempre um habitat íntimo e natural. Espera-me um momento de prazer e aprendizagem.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

"Flores para mim - Abel Neves"

A ouvir, refletir, ...





"Eles são pessoas com defeitos como todos nós que clamam uma revolução. Uma revolução que só pode ser feita no silêncio de dentro quando conseguimos calar o ruído do mundo e vencemos o medo de ouvir claramente os motivos da nossa própria voz."

"Flores para Mim" de Abel Neves

Teatro Meridional
4 NOVEMBRO A 11 DEZEMBRO
quarta a sábado às 22h
domingo às 17h
www.teatromeridional.net

terça-feira, 22 de novembro de 2011

I am Sam



"Preocupa-me ter beneficiado mais deste relacionamento que você."

Esta afirmação da Drª Rita Harrison (Michelle Pfeiffer) refere-se à aprendizagem humana que teve no relacionamento, enquanto advogada, com o seu cliente, Sam (Sean Penn). Porque estes seres "diferentes", "atrasados", "deficientes", "...", podem não ter a capacidade dos ditos normais para saber multiplicar, mas jamais são capazes de subtrair ou dividir na capacidade de amar. Teríamos tanto a ganhar se soubéssemos olhar para estes seres humanos especiais que surgem no percurso da nossa vida...

A força do amor é capaz de superar qualquer obstáculo.

domingo, 20 de novembro de 2011

Madeixas de cabelo




"Vais perder todo o teu cabelo!" - esta afirmação com quase 13 anos mantém-se bem viva, talvez por ter sido a primeira informação que obtive sobre a doença que então padecia. No momento, soou-me de forma estranha, mas quando as primeiras madeixas de cabelo começaram a ficar sobre o branco da almofada, ou na toalha do banho, como se fossem folhas caducas a despir as árvores, no lugar de permanecerem à cabeça, fez todo o sentido. Esse facto foi contemplado com uma primeira experiência de corte "à máquina zero" e, tirando o pormenor do frio que se fazia sentir, não dei grande importância àquele novo look. Ultrapassada a quimioterapia, ao couro cabeludo nu irrompeu um novo pelo, mais macio e negro, como o revestir das árvores em flor, em plena primavera. Como se quisesse colocar à prova aquele fenómeno natural, uns meses mais tarde o processo repetiu-se e renovou-se.


Porque mais importante que umas simples madeixas de cabelo que caem, são os gestos de afeto que nos envolvem e amparam...

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Ask Tesadüfleri Sever


"-Vovô, como acontece o amor?
- Ninguém sabe verdadeiramente. Mas há alguns sinais, é claro. O seu coração acelera, por exemplo. Quer sempre, sempre, estar com essa pessoa. Ela significa o mundo para você. Não se preocupa com mais nada."






O encanto da arte e do amor, num despir genuíno da simplicidade...
 

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Um simples gesto de Solidariedade

"A Associação para a Integração e Reabilitação Social de Crianças e Jovens Deficientes de Vizela (AIREV) é uma Instituição Particular de Solidariedade Social que tem como Missão a promoção da melhoria contínua da qualidade de vida de pessoas portadoras de deficiência ou incapacidades, suas famílias e comunidade, bem como disseminar conhecimentos e sensibilizar, procurando eliminar o profundo estigma social relacionado com a deficiência."



Com o intuito de contribuir com um simples grão de mostarda, quero lançar o seguinte desafio, a decorrer até ao próximo dia 16 de Dezembro. Por cada exemplar do livro - Iluminado. O Renascer - irei entregar € 1,50 à AIREV.


Iluminado. O Renascer

Sinopse

Num discurso notada e declaradamente de catarse, o autor leva-nos a esquecer essa condição, através da fluidez que empregna este seu livro. Uma viagem pelo sofrimento, mas, e sobretudo, pelo objectivo: viver. Um livro para quem a desistência não é opção. Custo de cada exemplar - € 10,00 (mais portes de envio se se aplicar) 

"Esta obra contém assim uma combinação perfeita entre os dois lados da Vida, o agri e o doce. O infortúnio do protagonista arrasta consigo uma onda, diria até um tsunami, de doçura que, misturados com uma boa dose de coragem, nos deixa uma mensagem muito importante para as nossas vidas." (Prof. Alice Abreu)

É uma iniciativa a título pessoal com a recetividade da AIREV. Desde já o meu obrigado àqueles que aceitarem este repto, estando também ao dispor daqueles que quiserem colaborar no sentido de promover esta ação.


"Eu sei que o meu trabalho é uma gota no oceano, mas sem ele o oceano seria menor." (Madre Teresa de Calcutá)

Um afago

 



Percorro o frio das ruas desertas,
ao persistente fustigar da chuva
sobre a pedra gasta da calçada.

Um olhar transparente queda-se,
às janelas para além das varandas
e o sol desce-me no calor do afago.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

"Como convém televiver" (José Gil)

Como convém televiver

«É a vida.» Esta frase com que o apresentador da RTP termina amiúde o Jornal da Noite dá o tema do ambiente mental em que vivemos. «Dar o tom» significa muito mais que «sugerir» ou «indicar» uma direcção de leitura. Na realidade, constitui por si só toda uma «visão do mundo» e, mais importante, toda uma visão de nós mesmos, da nossa vida enquanto (tele)espectadores do mundo.

Depois de assistirmos às notícias sobre raptos, assassinatos, acidentes de viação, mortos palestinianos e israelitas, descobertas de centenas de vítimas taliban asfixiadas em contentores no Afeganistão, surge uma notícia que, como uma luz divina, redime todo o mal espalhado pela Terra: nasceu um bebé panda no Zoo de Pequim! O apresentador sorri largamente, pisca mesmo um olho cúmplice aos telespectadores. Depois das imagens de futebol, remata enfim, com um tom sábio: «É a vida!»

É a vida, pois. Que mais quereis? É a vida lá fora, não há nada a fazer, é assim, vivei a vossa com paz e serenidade, não há nada a temer, é lá longe que tudo acontece e, no entanto, estou eu aqui para vo-lo mostrar inteiro, o mundo, ide, ide às vossas preocupações que a vida continua.

Com este tom destinado a sossegar os espíritos, o apresentador envia-nos várias mensagens bem precisas: 1. A vida é uma mistura de bem e de mal, o homem está entre a besta e o anjo, e isso constitui a essência do mundo, que foi, é, e será sempre feito dessa mesma massa; 2. A frase impõe uma norma: eis o que se pode, e portanto, deve pensar do que acabámos de ver em todo o planeta. Norma matafísico-moral, ou melhor, norma ligeiramente eivada de matafísica que assim recolhe e reúne num só, todo o tipo de reflexões pensamentos que as imagens televisivas suscitariam. É, pois, uma norma para o pensamento: diz-nos como e o que pensar do mundo: e segundo a maneira de pensar, pensamo-nos também a nós face ao mundo, mas como se estivéssemos dentro dele, como sua parte integrante. Cria-se aqui uma pequena transcendência, imperceptível mas indelével, que constitui o efeito profundo do imperativo metafísico-moral: o telespectador é colocado dentro do mundo mas ao mesmo tempo acima dele, como se o vivesse não o vivendo. «É a vida», a nossa, a de todos, aquela que vivemos — e, no entanto, a vida é um espectáculo de imagens a que vós acabais de assistir. De fora, porque ele está fora de nós.

Estamos fora da vida, dentro dela: «é a vida!…» É esta mistura confusa de transcendência-imanência da nossa vida à Vida que provoca um nevoeiro no espírito.

Um terceiro aspecto parece não menos importante: 3. A norma neutraliza quaisquer veleidades de um discurso que se desvie deste bom senso que ela irrecusavelmente revela. A norma impõe limites imperceptíveis (porque internos) ao pensamento e, certamente também, à acção. Tudo o que vimos, a barbárie, o excesso, a crueldade mais insuportável são compensados, reequilibrados pelo sorriso, e o golpe do panda: é o que nos diz o metadiscurso final (a frase) do apresentador. Ou seja, aquilo, o crime e o sangue, não é a vida ainda; só começa a pertencer à sua esfera com o surgimento do bebé panda.

Inocula-se assim, no seio das imagens, uma outra dose de nevoeiro: o que vistes não é o que vistes, mas o que só agora estais a ver, que é o que vistes menos o que julgastes ver porque o bebé panda vo-lo retirou.
(…)

Gil, José,  Portugal, Hoje O Medo de Existir, (5.ª edição), Lisboa: Relógio D’Água Editores, Março 2005, pp. 7 — 9


Este brutal excerto é um espelho da generalidade da "informação vomitada" pelo écran da tv. É tão fácil disseminar o medo...



segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Refletir


Diariamente, o ser humano é manipulado, como se existisse um par de forças ação/reação entre a ambição desmedida para o dominar e a permissividade bacoca para o ser dominado. Os denominados grupos de poder surgem como toupeiras nos diversos círculos e atividades profissionais da sociedade, estabelecendo-se uma subversão de valores, uma promiscuidade consentida, em que uns comem à fartazana e outros se digladiam para apanhar as migalhas.

E pensar que houve e continuam a existir Homens a entregar a vida por amor ao próximo...





Busca-se de forma incessante a felicidade na ganância do materialismo, quando ela reside na simplicidade do ato de Amar...

sábado, 5 de novembro de 2011

Iluminado

"Passados cerca de 11 anos, não me sinto um herói por ter vencido uma doença como o cancro. Sinto que venci uma batalha importante da minha vida, com muito sofrimento e dor, mas acima de tudo com muita esperança. Esperança num amanhã que podemos construir com as nossas mãos, através das opções que tomamos na nossa vida. Mais importante do que sobreviver, eu decidi que queria viver, acordar todos os dias com um sorriso no rosto, deixar-me inundar pela luz do sol e caminhar na estrada da vida. A força interior que desabrochou em mim, permitiu que encarasse a vida com outro olhar, aceitando o meu corpo tal como ele é, conseguindo vencer as barreiras que uma deficiência pode causar, ultrapassando os meus próprios limites.
Para mim o essencial é correr atrás do sonho, viver a beleza de cada momento, de cada dia, lutando pelos nossos objectivos pessoais. Quando sentimos algo em nós mais forte, capaz de vencer cada obstáculo que surge no nosso caminho, é difícil perder a alegria de viver, por muito complicada que seja a caminhada que temos de enfrentar." (in Iluminado. O renascer)


terça-feira, 1 de novembro de 2011

...aquele último olhar




no murmúrio silencioso
daquele último olhar,
estranha sensação,
inexplicável presságio,
naquele último olhar.
despedi-me de ti, avô,
no abraço interminável
daquele último olhar.







Os que partem ficam para sempre a abraçar-nos na imensidão da sua alma. Porque a morte é apenas uma passagem...

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

DOU.pt



Em pleno Dia da Poupança, nasce um projeto capaz de ir mais além no conceito de doação e reutilização de bens e materiais. Basta fazer login através da conta do Facebook, para poder explorar todas as potencialidades desta plataforma online. Existem diversas formas de colaborar e assim contribuir para uma sociedade mais justa e solidária.

"Quando a sua ajuda aos semelhantes é fruto de motivação e preocupação sinceras, isso lhe traz sorte, amigos, alegrias e sucesso. Se você desrespeita os direitos dos outros e descuida-se do bem-estar alheio, acabará imensamente solitário." (Dalai Lama)

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Escola


Há uma casa que de bonitas palavras se constrói,
onde a palavra sonho ganha asas e descola.
Dentro dessa palavra tu podes ser o heroi,
e com cada uma das letras formar a palavra Escola.


Nos últimos dias, a Escola continua a ser notícia por acontecimentos que simplesmente não deviam ter lugar. Urge a Sociedade olhar para a Educação como o pilar para o Ser...
 
Aprender a Estudar

(Hino da Escola da Ponte)


Estudar não é só ler nos livros que há nas escolas,
É também aprender a ser livre e sem ideias tolas.
Ler um livro é muito importante e, às vezes urgente,
Mas os livros não são o bastante para a gente ser gente.
É preciso aprender a escrever, mas também a crescer, mas também a sonhar.
É preciso aprender a viver, aprender a estudar.

Estar na Escola da Ponte é estudar,
Estar contente consigo é estudar,
Aprender com os outros, aprender contigo,
E ter um amigo também é estudar.

Estudar também é repartir, também é saber dar
O que a gente souber dividir, para multiplicar.
Estudar é escrever um ditado, sem ninguém nos ditar.
E, se um erro nos for apontado, é sabê-lo emendar.
É preciso, em vez de um tinteiro, ter uma cabeça que saiba pensar,
Pois, na escola da vida, primeiro, está saber estudar.


(Adaptado de um poema de José Carlos Ary dos Santos e de uma melodia de Fernando Tordo)

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

"Por Um Objectivo - Somos Voz"


"O projecto Por Um Objectivo é um projecto da Plataforma Portuguesa das ONGD que reúne oito bandas portuguesas em prol dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, definidos pelas Nações Unidas.

Orelha Negra, Moonspell, Souls of Fire, Noiserv, João Só e Abandonados, Easyway, Humble e Nu Soul Family apadrinharam e dedicaram uma música a cada um um destes objectivos - que vão desde o combate à pobreza, redução da mortalidade infantil, acesso universal à escola ou combate à SIDA e Malária - e pretendem consciencializar os jovens para estes problemas que afectam o nosso planeta.

As músicas dedicadas pelas bandas encontram-se no CD Por Um Objectivo, que conta também com o tema "Somos Voz", que estas oito bandas gravaram em conjunto e deixa uma mensagem bem clara: que estes objectivos são de todos nós e é necessário sentir, pensar e agir para que o mundo seja um local mais justo e mais agradável de se viver.

O projecto e as suas iniciativas podem ser acompanhadas em www.por1objectivo.org ou na página de Facebook Por Um Objectivo."


Porque cada um de nós pode e deve Ser Voz consciente, ativa e solidária...

terça-feira, 25 de outubro de 2011

"Alegoria da Caverna"

Segundo a ciência, o Homem começou por andar sobre quatro patas, até que levantou a cabeça, ao endireitar a espinha dorsal, e as anteriores patas dianteiras deram lugar aos membros superiores, as mãos. Esta transformação posicional permitiu ao homem visionar o mundo que o rodeia de uma outra forma, desenvolvendo uma capacidade de raciocínio, exercitando a mente que lhe habita parte do cérebro.
Curiosamente, o homem, enquanto criança, começa por gatinhar, até que desenvolve uma aptidão para caminhar sobre os membros inferiores, ainda que possa tombar inúmeras vezes, adquirindo assim a possibilidade de descobrir um mundo à sua volta.
Ora existe, nesta imensurável espécie humana, quem se recuse a sair da posição horizontal, insistindo em rastejar sobre a terra onde um dia será comido pelos vermes papões. Talvez motivado pelo medo, o homem horizontal não arrisca a deixar o seu micro-habitat, rejeitando encarar a luz do sol que nasce todos os dias.



domingo, 23 de outubro de 2011

Le Huitiéme Jour

"Então ele se perguntou se nada estava faltando. No oitavo dia, ele fez Georges. E viu que era bom."




É-me difícil descrever a magia que este filme consegue abarcar. Permitam-me apenas dizer-lhes: atrevam-se a ver e sentir esta maravilha!

"Você é o melhor presente que o céu me mandou."

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

anamnese



há um homem grisalho que caminha às arrecuas
e vislumbra o horizonte com uma clareza invulgar.

avista a cidade pequena debaixo duma nuvem triste
e as flores a querer recuar no tempo para beber o sol.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

"Experimente Partilhar"

“Experimente partilhar” é a mensagem da Organização Não governamental “Accion contra el hambre” (Acção contra a fome). “Num Mundo com capacidade para alimentar o dobro da população, 3,5 milhões de crianças continuam a morrer anualmente por desnutrição aguda”. (fonte)




Simultaneamente, encantado e desarmado perante a simplicidade e grandeza desta mensagem, coloco uma simples reflexão: muito temos a aprender (sobretudo os senhores de Wall Street, de Bruxelas, e outros que tal) com estas e outras crianças que abraçam o mundo no amor dos seus gestos.

"A criança é o amor feito visível."  (Friedrich Novalis)

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Aaron Cruden - O Ensaio para a Vitória.


"Já tive algumas experiências mais complicadas na minha vida e delas saí sempre fortalecido." 


Esta foi a afirmação de Aaron Cruden sobre a responsabilidade de substituir o mítico Daniel Carter na formação dos All Blacks, que jogam no próximo domingo a final da Rugby World Cup contra a França, em Auckland.

Em 2008, com 19 anos, foi diagnosticado a Aaron Cruden um cancro nos testículos. Após a remoção do testículo esquerdo, Aaron soube que o cancro se havia espalhado para os pulmões e tinha que enfrentar uma intensa e árdua quimioterapia.

Felizmente, Aaron venceu esta batalha, marcando o Ensaio para a vitória da Vida, e domingo entrará em campo com coragem e determinação para mais um desafio...


"De facto, se há três anos me dissessem que estaria a poucos dias de ser titular pelos All Blacks na final do Campeonato do Mundo, assumiria que estavam a gozar comigo. Afinal..."

terça-feira, 18 de outubro de 2011

"I'm Here"


Haverá segurança maior e mais reconfortante que o saber que há alguém que nos diz, na sinceridade do sorriso e confiança do olhar, 'estou aqui'?

Ao longo dos tempos, uma grande maioria das pessoas foi trocando a segurança do Amor, pela suposta segurança e conforto dos bens materiais que se vão adquirindo e amontoando, valorizando o factor ter ao ser. Curiosamente, ao mesmo tempo, uma série de estudos tem revelado que o número de depressões tem aumentado a um ritmo vertiginoso, demonstrando que as pessoas aparentam elevados níveis de ansiedade, stress, insatisfação, profunda tristeza, ...

Num momento em que as sociedades estão mergulhadas em devastadoras crises financeiras, talvez seja o momento ideal para as pessoas refletirem sobre o desenfreado consumismo que se enraizou nas últimas décadas e definirem as verdadeiras e indispensáveis prioridades para o ser, para o viver...


"É urgente o amor.
É urgente um barco no mar.

É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.

É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.

Cai o silêncio nos ombros e a luz
impura, até doer.
É urgente o amor, é urgente
permanecer."


(Eugénio de Andrade)


Porque um gesto de amor é gratuito...

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Abraçar o Horizonte



Diziam-me ser uma criança diferente,
eu ficava muito triste, não gostava de ir à escola
e a minha mãe ficava também muito triste.
Este ano letivo uma professora escolheu-me
para a sua turma, uma turma tão diferente das demais,
onde todos os meninos aprendem,
sobretudo o direito a sonhar.

Já consigo escrever o meu nome e desenho
um sorriso muito bonito no meu rosto,
que cresce a cada dia que vou para a escola
e abraço muito forte a minha professora linda
e brinco com os meus amigos que, afinal,
são todos diferentes e iguais a mim.


Porque... "talvez eles sejam os verdadeiros seres humanos e nós, ditos normais, apenas o rascunho de uma criação maior".

sábado, 15 de outubro de 2011

Sorrisos de esperança




Sob o pungente silêncio da dor,
a mão estendida clama auxílio
nas pétalas que derramam
o encarnado sofrimento.

Irradia a luz cristalina,
sob o verde tom,
que brota no caule
do cacto da esperança.






Escrevi este poema diante de uma tela de Né Oliveira presente na sala de espera para o xarope do cacto aloé preparado pelo Frei Perdigão, no colégio Montariol, em Braga. Anualmente, passam alguns milhares de pessoas por aquele lugar, em busca de um sorriso de esperança. Felizmente, há quem possa testemunhar a cura na alegria de viver.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Afetos: precisam-se.

É madrugada.

Num qualquer hospital privado
uma mãe dá à luz um feto
desprovido de qualquer afeto.

É fria a madrugada.

Numa qualquer esquina da cidade
morre mais um sem abrigo
como se a vida fosse um castigo.

É gélida a madrugada.

Numa qualquer sociedade anónima
esquece-se o calor dum gesto
à inveja devota do mundo infesto.

O dia há-de acordar sob a vassoura do cantoneiro.


"O importante não é o que se dá, mas o amor com que se dá." (Madre Teresa de Calcutá)

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

"Faz-te ao largo!"

 "Quando acabou de falar, disse a Simão: «Faz-te ao largo; e vós, lançai as redes para a pesca.»" (Lc 5, 4)


O que realmente nos faz viver? O que de verdade nos leva a soltar as amarras ao barco da nossa vida, partindo do cais, fazendo-nos ao mar?

É importante atracar o barco no cais, parar, refletir, mas não podemos ficar eternamente no porto de embarque. Precisamos largar as amarras que nos prendem, vencer os medos, os receios que nos impedem de seguir viagem, impelindo o barco na direção dos sonhos, na escuta do coração, rumo ao destino que realmente desejamos com todas as nossas forças.

Fazendo-nos ao mar corremos o risco de enfrentar tempestades e ter de lutar contra as maiores adversidades, mas esse é o risco, o grande desafio de viver. Deixar-nos conduzir pelas intuições, saborear cada momento ao máximo, numa caminhada crescente de aprendizagem emocional, espiritual, ...

O maior desafio do Homem é viver no Amor, na Esperança de alcançar a verdadeira Felicidade. Porque o dom da Vida só tem sentido quando partilhada, doada aos outros...

"O monge e filósofo budista vietnamita, Thich Nhat Hanh, escreve sobre como apreciar uma boa chávena de chá. Temos que estar totalmente despertos no presente para apreciar o chá. Apenas com a consciência no presente, as nossas mãos podem sentir o agradável calor da chávena. Apenas no presente podemos apreciar o aroma, sentir a doçura e saborear a delicadeza. Se estamos a remexer sobre o passado ou preocupados com o futuro, perderemos por completo a experiência de apreciar a chávena de chá. Olharemos para a chávena, e o chá já terá terminado."

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Contra a Indiferença!








"Com esta campanha de sensibilização, pretendemos acabar com a inércia na ida ao médico e alertar para a realização de mamografias com um intervalo de tempo regular (habitualmente de 2 em 2 anos), que funcionam como diagnóstico precoce, que pode reduzir os números negativos, associados a mortes e mastectomias", explica o Prof. Carlos de Oliveira, presidente da Liga Portuguesa Contra o Cancro.





Uma vez mais a Liga Portuguesa Contra o Cancro aposta numa mensagem de forte impacto, para alcançar a sensibilidade da Sociedade, relativamente à prevenção do Cancro da Mama.

Porque um simples gesto é Vida! 

sábado, 8 de outubro de 2011

"Intérpretes de sonhos."

"O nascimento do pensamento é igual ao nascimento de uma criança: tudo começa com um ato de amor. Uma semente há de ser depositada no ventre vazio. E a semente do pensamento é o sonho. Por isso os educadores, antes de serem especialistas em ferramentas do saber, deveriam ser especialistas em amor: intérpretes de sonhos." (Rubem Alves)

Num momento em que o setor da Educação atravessa um período conturbado e o ruído parece prevalecer sobre o bom senso, a Sociedade deve meditar sobre estas palavras do educador brasileiro Rubem Alves. Em primeiro lugar, educar precisa de ser um ato de amor, onde o horizonte de cada indivíduo precisa ser percecionado, e não um conjunto de leis ou regras que limitem a capacidade e a criatividade intrínsecas a cada ser humano.

“Oh, Capitão, meu Capitão.”




“Colhe os botões de rosa enquanto podes.”

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

"Favores em Cadeia"

“Pensa numa ideia para mudar o mundo e põe-na em ação.”

Este foi o desafio lançado pelo professor da disciplina de Estudos Sociais de uma turma do sétimo ano, como trabalho extracurricular.

“Existe um mundo lá fora e mesmo que decidam que não o querem conhecer vão ser forçados a isso.” / “Que significa o mundo para vocês?” / “O reino da possibilidade existe em cada um de vocês.”

Perante as interrogações, as afirmações reflexivas e o desafio proposto pelo professor, Trevor concebe um plano, apresentando-o à turma, da seguinte forma:



“Sou eu. E isto são três pessoas. E eu vou ajudá-las, mas tem de ser uma coisa em grande, algo que elas não possam fazer por elas próprias. Então, eu faço-o por elas… depois elas fazem-no a outras três pessoas. Já são nove…”


A turma considerou ser uma ideia excessivamente utópica. Trevor apenas queria tentar um mundo perfeito, porque tudo era mau.


Geralmente, perante atos de altruísmo, ideias e gestos para alterar o rumo deste mundo cada vez mais cruel e egoísta, a nossa reação é semelhante à da turma do Trevor: “Mais um parvo sonhador”, “Pura utopia”, “De nada vai adiantar”, …


Diz-se que “a fé move montanhas” e, se refletirmos um pouco, há imensos exemplos de pessoas que acreditam que com simples ideias, gestos e projetos conseguem mudar o mundo que as rodeia, conseguem que os outros acreditem que isso é possível e que também eles são capazes de o fazer, sendo elos de uma corrente de solidariedade, de caridade, de amor…


“Acho que algumas pessoas têm demasiado medo… de pensar que as coisas podem der diferentes. O mundo não é exatamente… uma porcaria. Acho que é difícil para certas pessoas que estão habituadas às coisas como estão… mesmo que estejam mal… mudarem. E desistem…”







…porque é possível!

terça-feira, 4 de outubro de 2011

sábado, 1 de outubro de 2011

"Haverá mais erres? :)"

Há sentenças proferidas pelo destino que transformam radicalmente o curso da vida. Por mais duras que sejam e por mais que façam sofrer, creio que há sempre um sentido muito além do que está sobre a aparente superfície que se alcança à primeira vista. Fazendo a descoberta desse sentido, sentindo-o e vivendo-o, correndo os riscos e assumindo as consequências que daí possam advir, é "(re)nascer", rejuvenescer constantemente...


quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Sobre o Cancro

Aos 17 anos, no IPO (Instituto Português de Oncologia) - Porto, uma equipa de médicos informou-me, de forma transparente, que tinha um Osteossarcoma - tumor maligno - no joelho direito, e que ia ser submetido a um tratamento de quimioterapia, no sentido de tentar eliminar as células malignas.
Tumor?! Quimioterapia?! Substantivos que desconhecia ou ignorava e que, de um momento para o outro, passavam a constar do vocabulário sobre o meu estado de saúde. Apreender o significado de cada um foi um processo deveras doloroso, com efeitos secundários devastadores para o meu organismo.

Passaram-se doze anos e, infelizmente, o cancro continua a ser uma das principais causas de morte, apesar de a constante investigação científica permitir um avanço significativo ao nível dos tratamentos, contribuindo para uma melhoria da qualidade de vida.


Porque vale a pena acreditar!

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

"Gente da Minha Praça" - Rádio Vizela


No passado dia 20 de Setembro, estive no programa da Rádio Vizela - "Gente da Minha Praça" - a falar sobre o projeto deste blog - "um sapato novo". Disponibilizo a emissão do programa na integra, para quem desejar ouvir.


umsapatonovo by sapatonov

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Joaquim Sá, um Anjo.

"Para mim a religião é o Amor."

Quis o destino que ontem à noite assistisse, sem que tal estivesse planeado, à estreia do programa "Portugueses Extraordinários", no canal 1 da RTP. 
Foi como se tivesse adentrado o écran da TV e abraçado a imensidão daquele Ser Humano que se entrega e ama os outros da forma mais simples e pura possível.

Porque não há palavras que descrevam gestos desta dimensão. Obrigado Joaquim Sá!

"Uma coisa é nós estarmos na verdade, outra coisa é a verdade estar em nós."


Portugueses Extraordinários



domingo, 25 de setembro de 2011

Sensibilidade


O dia amanhece em posição fetal. Há fios de luz âmbar que timidamente entreabrem a escuridão. Sinto o escorrer lento do sangue ao peito aberto em ferida. Suspiro pelo calor dum abraço e logo recebo o abraço destas frias paredes caiadas de branco. Esta dor, a única companhia na solidão do meu quarto. É o grito silencioso ao sofrimento daqueles que amo a trespassar-me. Há uma voz que me sussurra: precisas ser forte, ser porto que abarca a dor dos outros no afago dum sorriso. E eu tento ser forte, como tento ser forte. Mas já sinto as lágrimas ao branco dos olhos, prestes a chover em catadupa. Ainda se a dor se esvaísse junto com elas. Mas não! Apenas sinto invadir-me a fragilidade, e desfaço-me em pedaços. Chega a hora de me levantar, recompor-me e sorrir. Há sempre quem espere o fio de luz que verte dum abrir de mãos.



Roads from GILAL on Vimeo.


Porque a sensibilidade permite-nos perceber a dimensão do sofrimento daqueles que estão à nossa volta.

sábado, 24 de setembro de 2011

Oscar Pistorius




"Mas temos milhões de capacidades e acho que é nisso que temos de nos concentrar na vida."

Desde que tive de enfrentar a realidade de viver sem o membro inferior direito que interiorizei e aceitei isto mesmo que Oscar Pistorius refere. Não é pelo facto de sermos confrontados com uma incapacidade, uma limitação de que género for, que a nossa vida termina. Muito pelo contrário, geralmente, é ali que ela realmente começa.
Oscar Pistorius é mais um exemplo de que a capacidade de sonhar, acreditar e lutar permite-nos vencer os obstáculos e barreiras que nos vão surgindo no decorrer de cada dia.

"Naquilo que ainda podemos fazer e não naquilo que não podemos fazer."

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Voar

"Esta música é sobre as crianças doentes internadas num hospital. Quando foi cantada pela primeira vez uma dessas crianças estava no palco e conta-se que os dois músicos choraram no final. Para os críticos musicais a letra desta música reflecte as dificuldades que as crianças/jovens com necessidades educativas especiais têm em concretizar os seus sonhos. Tim conquistou com o tema “Voar” os tops nacionais exibida também na série da TVI "S.O.S. Crianças" (Luís Filipe Malheiro)






Agradeço a uma pessoa deveras especial o acesso a esta mensagem sobre uma canção que ganha asas...

Solidariedade

"Trabalho solidário realizado com portadores de deficiência, a fim de a sociedade ser menos discriminatória. Como sempre foi um trabalho super gratificante ver a felicidade deles de poderem trabalhar com a DDiArte."

O colectivo DDiArte, dupla de fotógrafos madeirenses (Diamantino Jesus e José Diogo), tem sido, nos anos mais recentes, premiado por diversas entidades e publicado em revistas internacionais de referência no domínio da fotografia. Além da qualidade e criatividade artística do seu portfolio, há que enaltecer a excelência deste trabalho solidário realizado para um calendário, onde os modelos fotográficos são portadores de deficiência.

Porque um simples gesto é capaz de transformar a sociedade que nos rodeia, de estabelecer pontes entre margens, de gerar sorrisos de felicidade.


"Eu sei que o meu trabalho é uma gota no oceano, mas sem ele o oceano seria menor."
(Madre Teresa de Calcutá)

sábado, 17 de setembro de 2011

Imagine

"You may say I'm a dreamer..."



Sonhar é cada vez mais raro, porque é preciso ter coragem para sonhar, para sorrir a cada amanhecer, entregando-nos de corpo e alma a esse grande desafio que é viver. E quando se acredita na força do amor, quando se respira o sentir que nos inunda e preenche, os sonhos vão-se construindo numa felicidade partilhada. 

Porque só me sei sonhador, no querer viver o amor.

"Imagine all the people living for today"

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

"Run, Forrest, Run"

Há alguns dias, numa daquelas conversas onde se quer permanecer, foi evocado o filme Forrest Gump. Recordo-me de ter assistido à estreia do filme, no início da adolescência, projetado por uma daquelas máquinas de bobina, no salão polivalente do Instituto Silva Monteiro.

"Your boy is diferent!"

O que é ser diferente? Segundo a genética, cada ser humano é um indivíduo único, logo diferente de todos os seus semelhantes. Contudo, há uma tendência na humanidade em querer agrupar as pessoas segundo padrões estabelecidos, reprimindo o pensamento e liberdade própria de cada Homem. No entanto, existe outra tendência para a discriminação e zombaria quando surge alguém que não se encaixa no grupo dos ditos normais, revelando assim a violência tanto psicológica como física de que o dito ser humano é capaz.

Ser normal é deveras desinteressante! Porque gosto de ser diferente e de pessoas diferentes!

"I'm not a smart man, but i know what love is!"



terça-feira, 13 de setembro de 2011

Gnosei seauton

"É ridículo dizê-lo mas, mal o vi, o meu coração começou a bater de uma forma diferente, mais do que bater dir-se-ia que andava às voltas, parecia um animalzinho satisfeito, só fazia assim quando via o Ernesto. Sentei-me debaixo do carvalho, acariciei-o, encostei ao tronco as costas e a nuca.
Quando era rapariga, na capa do caderno de Grego escrevi o seguinte: Gnosei seauton. Aos pés do carvalho, aquela frase sepultada na memória veio-me de súbito à ideia. Conhece-te a ti mesmo. Ar, respiro." (in Vai Aonde Te Leva o Coração, Susanna Tamaro)

'Conhece-te a ti mesmo' - Esse é o grande desafio colocado a cada Homem. Só conhecendo-nos a nós mesmos, podemos respirar, inspirar fundo, sentir a harmonia do nosso ser com a natureza que nos rodeia.

Como conseguimos descobrir-nos a nós mesmos, sentir esta harmonia plena? 

Apenas o conseguimos quando encontramos a voz do nosso interior, a voz da nossa consciência. Para ouvir esta voz, precisamos de nos recolher em silêncio, de entrarmos em nós próprios, abstrair-nos do ruído que nos rodeia. De início pode parece assustador, pois o silêncio para muitos ainda é algo de demasiado misterioso, como um quebra-cabeças para ser desvendado por alguns gurus das denominadas ciências ocultas. 
Mas tal como as árvores ficam completamente desnudas no Outono, criando raízes no solo, para se revestirem e florirem alegremente na Primavera, também cada um de nós precisa de se despir no silêncio, para conseguir encontrar a voz do interior, encontrando as respostas às mais complexas questões, descobrindo a verdadeira identidade.
Quando conseguirmos escutar esta voz, não tenhamos medo, mas sim coragem para interiorizar e aceitar essa voz, vivendo de acordo com a nossa verdadeira identidade, voando nas asas da nossa liberdade interior, no pulsar do nosso coração, pois só assim conseguiremos ser verdadeiramente Felizes.

"Fica quieta, em silêncio, e ouve o teu coração. Quando ele te falar, levanta-te, e vai para onde te levar."

Ocean Heaven (Haiyang tiantang)

"Dafu, o menino peixe que encarnou num corpo de homem."



Um drama impressionante sobre o amor incondicional de um pai em estado terminal, devido a um cancro, que tenta ensinar ao filho autista os processos básicos do dia a dia, para que se consiga orientar sozinho, quando ele partir. O amor é capaz de fazer milagres.

Porque urge uma maior sensibilidade para compreendermos e aceitarmos os outros.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

RTP - GENTE COMO NÓS - MADEIRA

RTP - GENTE COMO NÓS - MADEIRA 

"Não tem uma perna, mas tem um sonho."

Uma excelente reportagem sobre Filipe Rebelo - Presidente da APD do Funchal.

Amputaram-me uma perna, não o sorriso.

Determinou o destino que, há cerca de 12 anos, devido a um grave problema de saúde - cancro -, me fosse amputada a perna direita - para viver, disse-me a equipa médica do Instituto Português de Oncologia do Porto. E, de facto, escolhi viver!
Essa escolha implica a aceitação do eu no todo, com a consciência exata das limitações físicas que daí resultam, mas com a certeza de que há um universo sem barreiras, um desafio constante à superação das capacidades que o ser humano possui - que são imensas.
Quantas vezes gastamos o precioso tempo de viver na procura do parecer aos olhos dos outros, esquecendo o essencial - o ser, de dentro para fora.

Amputaram-me uma perna, não a capacidade de sorrir. Além de que há sempre um sapato que permanece novo!